Igreja processa Netflix e Porta dos Fundos por especial de Natal de 2018 e pede R$ 1 bilhão

-
Foto: Divulgação

A Netflix e o grupo Porta dos Fundos são alvo de uma nova ação judicial pela exibição do especial de Natal “Se beber, não ceie”, de dezembro de 2018. A ação é movida pela Igreja Pentecostal Brasa e pede indenização de R$ 1 bilhão por danos morais. Na sátira, após uma bebedeira na última ceia, os discípulos de Jesus acordam de ressaca e percebem que perderam o messias.


Em janeiro deste ano, o desembargador Benedicto Abicair, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), suspendeu a exibição do Especial de Natal Porta dos Fundos: A Primeira Tentação de Cristo na Netflix. O magistrado determinou a suspensão da obra a pedido do Centro Dom Bosco de Fé e Cultura. O desembargador afirmou que o direito à liberdade de expressão, imprensa e artística não é absoluto. 

A Netflix ajuizou reclamação afirmando que “a decisão proferida pelo TJ-RJ tem efeito equivalente ao da bomba utilizada no atentado terrorista à sede do Porta dos Fundos: silencia por meio do medo e da intimação”. Na ocasião, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, autorizou a manutenção da exibição do especial de natal. “Não se descuida da relevância do respeito à fé cristã (assim como de todas as demais crenças religiosas ou a ausência dela). Não é de se supor, contudo, que uma sátira humorística tenha o condão de abalar valores da fé cristã, cuja existência retrocede há mais de 2 mil anos, estando insculpida na crença da maioria dos cidadãos brasileiros”, escreveu Toffoli na decisão. (Bahia Notícias)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui