Jogador de sucesso conta como superou o vício em filmes pornográficos através da fé

-
Foto: Reprodução

Não é porque a pessoa nasce ou é instruída no cristianismo, que ela se torna imune à influência do mundo. Muitas coisas acontecem para, ao longo da caminhada, os ensinamentos serem distorcidos ou perder força. É o que conta a história do jogador americano Ben Roethlisberger.

Ele cresceu numa família cristã, ia à igreja e participava das programações, mas quando ingressou para a Universidade de Miami, participou de um time de futebol e a partir daí começou a sua luta com a fé.

Qualquer tipo de vício é pecado, e o atleta se envolveu com álcool e pornografia. Ele falou seu testemunho durante uma conferência virtual para líderes que ensinam pessoas com esse tipo de problema a serem tementes a Deus e dedicados às suas famílias.

“Eu cheguei no fundo do poço”, disse o jogador da equipe Pittsburgh Steelers, um time de futebol americano da Pensilvânia. “Eu fui viciado em álcool e pornografia, o que não me tornou o melhor marido, nem o melhor pai, nem o melhor cristão que poderia ser”.

O jogador frisou o quanto a Graça de Deus é decisiva em uma situação que exige libertação pessoal e entrega, a fim de que o vício possa ser destruído emocional, psicológica e espiritualmente.

“Você precisa entender que pode se livrar disso por causa da graça de Deus”, disse Roethlisberger. “Ele está dizendo: ‘Olha, você é bom o suficiente para mim do jeito que é’”.

Muitas vezes, quando pessoas como BenRoethlisberger começam a se destacar em algo, e durante esse período vai crescendo, muitas não sabem lidar com o dinheiro e a fama.

Com o jogador não foi diferente. A vida dele começou a tomar outros rumos, como o vício ao álcool e a pornografia neste caso. Mas é necessário lembrar que nada está perdido quando se reconhece os erros e decidem consertá-los.

O casamento com Ashley Harlan, em 2011, trouxe o atleta de volta à vida, pois ele viu nisso uma chance de reestruturar a sua vida por completo, reconstruindo o sentido de relacionamento com uma mulher.

“Fui batizado quando bebê, mas não tomei essa decisão”, conta. “Eu senti que precisava fazer isso. Eu queria ter uma caminhada mais próxima, um relacionamento melhor com Jesus, com minha esposa, com meus filhos, minha família, me tornar uma pessoa melhor”.

“Foi Jesus quem me trouxe de volta a Ele. Sou muito grato por isso, porque me sinto um cristão melhor, um marido e um pai melhor, por causa do Seu perdão por mim”, conclui o atleta, segundo informações do Christian Post.

Gospel + / Will R. Filho

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui