Juliano Cazarré encarna Jesus Cristo e celebra: ‘feliz de fazer as pazes com a fé’

0
159
-
Foto: Felipe Souto Maior/ divulgação

Aos 38 anos, Juliano Cazarré não está apenas interpretando o personagem mais conhecido da humanidade. Foi se preparando para sentir na pele as chagas de Jesus em “A Paixão de Cristo”, que começou este fim de semana em Nova Jerusalém, em Pernambuco, que o ator redescobriu sua ligação com o divino.

Católico, criado na doutrina de Kardec, leitor de autores ateus, Cazarré podia ser a representação do que acontece em muitos lares brasileiros, que têm essa mistura quase ecumênica de buscar por algo que faça sentido. Ele encontrou. “Estou muito feliz de fazer as pazes com a minha fé”, diz ele, pai de Vicente, Inácio e Gaspar. Uma trindade com nomes de santo, a quem ele devota todos os seus dias no propósito de fazer deste um mundo melhor para quem vier depois: “Os filhos são uma oportunidade incrível de ver o quanto de coisa maravilhosa existe por aí”.

Como tem sido esta experiência?

Do ponto de vista do ator é muito interessante e desafiador. É um espetáculo de quase duas horas. É muito espaçoso e muito distante um palco do outro, muita coisa para aprender. Tem um esforço físico absurdo. No terceiro dia de ensaio, acordei com o corpo bem cansado. Mas está tudo bem, nada do além. É um cansaço gostoso. Eu estava esperando várias semanas para vir pra cá, preparado. Está sendo divertido. Estou muito feliz. Me divertindo em cena.

Dá para se divertir? É o maior spoiler da humanidade, os últimos dias de Cristo, um sofrimento enorme…

Eu não consigo entrar na ilusão, nem por um segundo, que eu sou Cristo. Sei que sou um ator fazendo Cristo. Sei que pode parecer óbvio. Mas não é. Eu estou fazendo com o maior respeito, o processo de vir pra cá, desde o ano passado, também tem sido um processo espiritual meu. De rezar muito, de pedir a Deus e Jesus que me orientem, de ler a Bíblia, de me entregar para que eles me ajudem a fazer, é algo muito grande, preciso da inspiração deles. Quando estou falando com os apóstolos, estou atuando. É minha profissão. Estou feliz de estar contando a história do herói dos heróis. O brasileiro costuma renegar seus heróis. Tem uma descrença, uma amrgura contemporânea. É sempre o desvalido, o que se ferrou. Nas novelas, os homens são cada vez mais preguiçosos ou maus, ou traem suas parceiras. Não é toda hora que a gente pode interpretar alguém que seja essencialmente virtuoso. Então, é bacana interpretar o bem e a pureza encarnados.

Juliano Cazarré encarna Jesus Cristo e celebra: ‘Feliz em fazer as pazes com Deus’
Juliano Cazarré encarna Jesus Cristo e celebra: ‘Feliz em fazer as pazes com Deus’ Foto: Felipe Souto Maior/ divulgação

É um espetáculo que mexe com o emocional das pessoas. E com o seu?

E mexe com a fé das pessoas. Elas vêm pra cá para ver o filho de Deus em seus últimos dias na Terra. Acho que tudo isso só aumenta a força para quem está fazendo. É o objeto da fé que é muito enraizada no Brasil, espalhada. Tento fazer um Jesus que concilia todos, que seja respeitoso com todo mundo, em especial o Jesus que encontro na Bíblia.

Qual era a sua ligação com a espiritualidade antes?

Eu sou católico, fiz Primeira Comunhão. E me reaproximei do catolicismo durante essa jornada, voltei a frequentar a missa, procurei a igreja num dia de semana para me confessar, voltei a participar da Eucaristia, estou muito feliz de fazer as pazes com a minha fé. Cansei de viver sem o transcendente, sem o divino, sabe? A gente vai ficando com um cinismo… E as pessoas te dizem que Deus morreu. Estudei muito Filsofia, o ateísmo, os autores. E tem gente que fala que você não precisa de um Deus. Mas eu percebi que, por mais que eu tenha me afastado de Deus, eu nunca consegui abandoná-lo. Sempre rezava, acredito que tem algo maior e aquilo esteve comigo o tempo todo. E eu estou me sentindo muito bem de ter feito as pazes com Deus, me sentindo bem em todos os dias estar rezando, em contar a Bíblia pros meus filhos, ensiná-los a Ave-Maria e o Pai Nosso de noite, na hora de dormir. A vida ganha um sentido maior. Não é abandonar a vida terrena com tudo o que a gente tem que fazer. Mas é um olho aqui e outro no paraíso. Esta é uma maneira que encontrei de dar significado para a vida.

Juliano Cazarré encarna Jesus Cristo e celebra: ‘Feliz em fazer as pazes com Deus’
Juliano Cazarré encarna Jesus Cristo e celebra: ‘Feliz em fazer as pazes com Deus’ Foto: Felipe Souto Maior/ divulgação

Você já tinha falado em entrevistas que queria viver Jesus. Foi coincidência?

Eu tenho amigos de diferentes religiões que me dizem que conversam com Deus, que ouvem uma voz. Eu sempre fui um cara fechado, não escuto vozes ou Deus soprar no meu ouvido “faz isso ou aquilo”. Nunca senti um arrepio no meio da tarde que tenha mudado minha vida. Um dia, do nada, eu nunca tinha visto o espetáculo, tá? E veio a vontade. Pensei: ‘Cara é isso!’. E comecei a dar entrevistas na esperança de que um dia fosse rolar. E me chamaram primeiro para fazer Herodes, mas Herodes não. E deixei pra lá. Me ligaram um tempo depois e perguntaram: “Estamos precisando de Jesus. Tá dentro?”. Fiz as contas, seria pertinho do nascimento do meu terceiro filho, eu não queria deixar a Leticia (Cazarré, mulher do ator), sozinha, queria acompanhar o parto. Já tinha perdido o do Inácio por causa de “Avenida Brasil”. Tive que dizer não. Letícia deu o aval. E topei. E o moleque não nascia. E a gente querendo parto natural, deu 40 semanas e nada. O guri não nascia, a data chegando… Daí optamos pela cesariana, consegui conhecer. Eu já estava abrindo mão de ver o parto. Então, deu tudo certo. Eu hoje em dia acho que foi o tal do sopro no ouvido, sabe?

O nome Gaspar, de um dos três Reis Magos, também teve a ver com esse momento?

Se teve a ver ainda não sei. Eu nem lembrava que era o nome de um dos reis. E meus filhos têm nomes de santo. A Letícia escolheu Vicente. Inácio eu escolhi. E Gaspar foi assim: a gente não tem hábito de dormir depois do almoço. Acabamos caindo cada um num sofá. Acordei antes dela e pensei, vou fazer uma listinha com nomes de menino. Quando estava indo pegar o computador veio Gaspar na cabeça. Quando a Leticia acordou eu falei: Gaspar e ela: “Para, não é possível. Acabei de sonhar com esse nome!”. E significa: o portador de tesouros.

Juliano cazarré e o filho Gaspar, o terceiro
Juliano cazarré e o filho Gaspar, o terceiro Foto: reprodução/instagram

Como você vislumbra o mundo para seus filhos?

Eu acho que as pessoas de bem vão vencer, mesmo que eu pense: “Caramba, em que mundo esses moleques vão crescer? Todo mundo enterrado com a cara no celular, ninguém se olha, tudo estranho”. Mas acho que daqui a pouco a gente vai chegar no limite do caos. Outras civilizações chegaram. Essa falta de sentido, essa falta de Deus… Ninguém está feliz de viver sem família. No individualismo. Eu torço para que as pessoas que têm filhos como eu queiram que o mundo melhores, que seja um mundo de diálogo, de diversão. Os filhos são uma oportunidade incrível de ver o quanto de coisa maravilhosa existe por aí, fora da tela de um celular. O mundo não é ruim.

O que falta então?

A gente consegue produzir comida para todo mundo. Os governos têm que parar de nos atrapalhar. Os sucessivos governos só nos ferram. Para de dizer que vai me salvar, brother! Que vai me dar algo de graça e tomar mais 10% dos meus impostos pra nada! Esse espetáculo é próspero. Os caras vendem ingresso! Não tem captação pública, não. A arte brasileira precisa vender ingresso e o governo precisa parar de tomar 30 a 50% do que fazemos.

Você quer ter mais filhos?

Por mim e pela Leticia a gente teria mais. Se a vida fosse mais próspera, ok. Mas não quero que falte pros que já existem. Tudo é caro. Nós gostamos de família grande. e a gente ama estar com os meninos. Por mais que seja uma energia despendida, a gente não tem babá. Eu faço a janta dos meus meninos todas as noites se estou em casa. Eu não levo uma vida de 2019. Levo a vida que eu tinha com meu pai e minha mãe e meus filhos não tocam em celular, não t~em tablet. Eles nem pedem mais porque sabem que não vão ganhar. Eu às vezes me pego perdendo um tempo olhando foto! Para! Videogame so fim de semana. Vamos desenhar, jogar bola. Tratar criança como criança. Eu recortava as revistas do meu pai, deixava ele maluco! Agora os moleques têm 12 canais de desenho, nem veem até o fim um deles. Os filhos são uma oportunidade incrível de ver o quanto de coisa maravilhosa existe por aí, fora da tela de um celular. O mundo não é ruim.

Juliano Cazarré com a jlher, leticia Cazarré e os filhos Vicente e Inácio e Gaspar na barriga ainda
Juliano Cazarré com a jlher, leticia Cazarré e os filhos Vicente e Inácio e Gaspar na barriga ainda Foto: reprodução/instagram

Você se tornou melhor pai, melhor marido, melhor pessoa na busca desse espetáculo?

Depois que me casei e fui pai venho tentando me melhorar. Para eles. Para a Leticia. A gente está junto desde o fim de 2009. Eu sempre tento melhorar e é assim que tem que ser. Viva como se fosse morrer amanhã. Aprenda como se fosse viver para sempre. Todo dia é dia de abandonar um mau hábito, de ser melhor.

Você vive de uma profissão que na maioria das vezes contraria a dita normalidade. Como se mantém normal?

A minha profissao depende duas duas coisas. Que eu tenha uma cultura grande e sólida. Preciso me preocupar com isso. E outra coisa é: continue sendo uma pessoa normal. São estas duas coisas que me orientam. Saiba exatamente como é que a média da população vive. Não entra nessa de ser famosão, levar uma vida cheia de glamour. seja uma pessoa normal. (Extra online)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui