Justiça nega pedido da CBF para impedir venda de camisas da Adidas

-
Foto: Divulgação

O juiz Paulo Assed Estefan, da 4ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, negou pedido de liminar da CBF para impedir que a Adidas comercializasse versões de camisas verde-amarelas, semelhante ao modelo utilizado pela seleção brasileira e fabricado pela Nike.

A entidade acusa a empresa alemã de prejudicar sua parceira que, conforme consta no processo, “paga vultuosas quantias” para ser a única fornecedora de material esportivo da seleção.

Os modelos da Nike e Adidas são vendidos nas cores amarela e com gola verde escuro no estilo polo. Porém, enquanto o uniforme da Nike apresenta o tradicional escudo da CBF, o da Adidas tem desenho com mescla da bandeira do Brasil e o brasão da República, além da frase “Uma paixão desde 1894”.

Uma alusão ao período em que Charles Miller desembarcou no Brasil com uma bola de futebol e outra de rúgbi. Na internet, a Adidas oferece o produto como peça curinga para torcer pelo Brasil.

A CBF acusa a Adidas de imitação e, com isso, tem promovido uma concorrência desleal. O pedido, no entanto, não convenceu o juiz. Paulo Assed Estefan reconhece, na decisão, que a camisa amarela com gola verde remete àquela utilizadas pela seleção, de Tite. Mas não o suficiente para considerar uma imitação da Nike.

“Camisa com as cores nacionais em disposição idêntica à da seleção brasileira, mas com design levemente diferente, escudo diverso e sua marca “Adidas” estampada no peito. Parece que há, aí, forte distinção a evitar confusão entre as duas. Isso porque, ao visualizar a roupa, o observador vai perceber não se tratar da camisa oficial”, escreveu o juiz na decisão.

A reportagem procurou a CBF para saber se a entidade deverá recorrer da decisão. A entidade, porém, não comenta ações judiciais segundo a sua assessoria de imprensa. 

A CBF também havia pleiteado uma indenização e que a Adidas fosse multada em R$ 100 mil por dia em caso de fabricação, distribuição e vendas. A marca também deveria tomar medidas juntos aos atletas e influenciadores que posaram para foto. No pedido, os advogados do escritório Dannemann Siemsen, contratado pela CBF, anexaram foto de Adriano Imperador, ex-atacante da seleção, com o modelo da Adidas.

Os advogados ainda argumentaram que o modelo de negócio da CBF está baseado na concessão e licenciamento de direitos e que a “Nike, parceira desde 1995, paga dezenas de milhões de reais por ano para adquirir a prerrogativa de ser a única empresa a fornecer material esportivo para seleção a brasileira e de poder, naturalmente, utilizar-se das marcas e símbolos com exclusividade no ramo de roupas e artigos esportivos.” 

Na sentença, o juiz fez diferenças entre torcer para o Brasil e vestir uma camisa da Nike com o escudo da CBF.

“Querer estar vestido com a camisa verde e amarela é sentimento comum à maioria dos brasileiros, valendo ressaltar a liberdade em usar as cores nacionais, mas nem todos querem vestir a da Nike ou o escudo da CBF, merecendo, então, o poder da escolha, até porque torcer pelo Brasil nem sempre se traduz em torcer pela seleção brasileira de futebol”, escreveu Estefan. (Folhapress)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui