‘Mulher tem que ter o direito de escolher’, diz Angélica sobre aborto

-
Reprodução: Gshow

Com medo de causar desconforto e chocar seus fãs ao falar sobre o assunto, Angélica preferiu dar voltas ao comentar a legalização do aborto em entrevista à revista Marie Claire.

Para a esposa de Luciano Huck, é necessário uma melhora nas questões envolvendo a saúde pública e a educação da população quanto ao assunto.

“É complicado implantar uma lei tão polêmica no Brasil por causa da falta de educação. As pessoas não têm acesso à comida. É difícil exigir que entendam isso porque esbarra em religião e coisas profundas. Não posso dizer que sou a favor porque vou afrontar muita gente. Agora tem que criar uma lei específica para casos como estupro. A saúde também precisa ajudar. Aborto clandestino é o que mais acontece e mata gente”, contou.

A apresentadora tentou driblar a questão, mas confessou ser a favor da liberdade da mulher de fazer o que quer com o corpo.

“Temos que começar fazendo valer a lei, de que se a mulher foi estuprada, tem direito ao aborto. Mas acho que podia ampliar um pouco, sim. Deveríamos ter políticas de saúde melhores para que isso não precisasse acontecer. Se ela decidiu isso, não foi porque quis engravidar. Religiosamente é muito complicado, do ponto de vista energético está errado. E a mulher tem que ter o direito de escolher. Eu acho [risos]”.

(Bahia.Ba)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui