O ar condicionado é um aliado ou um vilão na prevenção da disseminação do coronavírus?

-
Contador de colônias de fungos. Equipamento que faz a leitura das placas coletadas para análise (Foto: Christiane Lacerda, GHS)

Qual o nível de confiança que você tem quando entra em um local com ar condicionado? O sistema de climatização (ar condicionado) vem a público como a grande dúvida no auxílio da prevenção da disseminação do Coronavírus ou num meio transmissor dele. Mas afinal, o ar condicionado é um aliado ou vilão?

A falta de acompanhamento da fiscalização, desde o início do projeto e das instalações da obra, inclusive em relação ao PMOC – Plano de Manutenção, Operação e Controle -, criou um mercado frágil e desconhecedor das técnicas necessárias à garantia da boa qualidade do ar interno e do funcionamento adequado do sistema de climatização como barreira à proliferação microbiológica nestes ambientes.

E parece que a frase de Henry Ford, “qualidade significa fazer certo quando ninguém está olhando”, não é pensamento comum a todos os empreendedores. Desde 1998, há no mercado inúmeros questionamentos em relação à veracidade legal destas normativas, levando o foco apenas à falta de fiscalização das mesmas, transformando os cenários em cumprimento e protocolo de “papéis” e nada mais. A falta de fiscalização permitiu que empresas instalassem equipamentos sem a mínima garantia do controle da qualidade do ar interior ou da renovação do mesmo. Onde qualquer pessoa, mesmo não qualificada legalmente, realiza instalações, manutenções e até mesmo avaliações, sem possuir capacidade ou licença para tanto.

Um sistema adequado de climatização não é construído da noite para o dia. Não para a grande maioria das empresas. O descaso do Estado como órgão fiscalizador, associado à condição natural humana de burlar regras que não o leve a multas, fez com que um número potencial de empresas instalasse sistemas ineficientes no controle de contaminantes em ambientes confinados, não permitindo, nesse momento, a adoção de ações mínimas de mitigação, como renovação do ar interno, por exemplo.

Macaque in the trees
Split com muito mofo (Foto: Christiane Lacerda, GHS)
Macaque in the trees
Grelhas (saídas de ar) retiradas para inspeção interna dos dutos (Foto: Christiane Lacerda, GHS)

O tema não é tão recente assim. Há pelo menos 22 anos, o Ministério da Saúde publicou a Portaria 3523, em 28 de agosto de 1998, trazendo a conhecimento público as necessidades básicas para qualquer edificação sobre os procedimentos de manutenção, operação e controle dos sistemas de condicionamento do ar. Era o pontapé inicial na exigência que o mercado vinha apresentando em garantir a boa qualidade do ar aos ocupantes de ambientes gerenciados e mantidos por outras pessoas.

Em tempos de incerteza e insegurança como este que estamos vivenciando surgem algumas questões que, até então, passariam despercebidas pela maioria da população, mas que, agora, passam a ser fatores fundamentais para garantia da saúde e da vida.

Então o ar condicionado é importante sim, de uma forma geral, para o bem estar da população e controle de agentes contaminantes, mas precisa ser corretamente instalado e bem cuidado. Em conversa com Ricardo Salles, empresário e vice-presidente da ACRJ – Associação Comercial do Rio de Janeiro, fica claro o entendimento que “isso não é um peso a mais para o empresário, mas sim uma questão de equidade de competição e responsabilidade com o público, com os clientes. Estamos em um novo Brasil, onde a ética e as regras de integridade devem reger as organizações”.

Macaque in the trees
Bandeja coletora de água condensada de um condicionador de ar, com presença de limo bacteriano por falta de manutenção (Foto: Christiane Lacerda, GHS)

Devemos então aproveitar o momento atual para corrigir o que foi construído de forma errônea e criar hábitos de manutenção e controle eficazes, que garantam menor impacto caso apareça novo microrganismo oportunista no futuro. Afinal, o COVID-19 é um vírus que apresenta baixas taxas de mortalidade; porém, outros tantos como sarampo e H1N1 continuam a coexistir mais próximo do que imaginamos. E não há como saber como nosso sistema imunológico estará respondendo naquele determinado dia que encontrarmos um patógeno pela frente, portanto é preciso confiar “cegamente” no responsável pelo ambiente que estamos frequentando, até porque o ar e os microrganismos, vírus e bactérias não são visíveis.

Nesse sentido, torna-se imprescindível uma forma de avaliação e qualificação dos que fazem corretamente a lição de casa. Não é justo ao empreendedor que executa corretamente toda instalação de climatização e, portanto, tem um custo maior em sua obra, competir de forma igualitária aos que burlam o sistema por um custo menor, sem dar a devida importância à saúde de seus clientes ou colaboradores.

Como as autoridades tratarão este tema a partir desta pandemia? Vamos acompanhar e cobrar.

Se ficaram dúvidas, comentem: [email protected]

Christiane Lacerda é Engenheira Química formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Especialista em Qualidade do Ar e Poluição em Ambientes Interiores formada pelo PECE/USP; Especialista em Tratamento Químico de Sistemas de Resfriamento à Água, com mais de 20 anos de experiência na área; Especialista em tratamento químico e ensaios laboratoriais de águas, ar e efluentes; Presidente da ABEMEC-RJ; Coordenadora do Departamento Estadual de Qualidade do Ar Interior e Diretora de Marketing do Sindratar RJ; Membro ASHRAE; Diretora Técnica na GHS Indústria e Serviços Ltda. 

Jornal do Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui