Piovani revela que a religião a afasta das fantasias sexuais

Foto: Instagram / Reprodução

Moradora de Cascais, nos arredores de Lisboa, Luana Piovani aterrissou em São Paulo dias atrás para a festa de lançamento de seu programa Luana é de Lua, do canal E! Sincerona como sempre, ela contou que o despudor ao verbalizar o que pensa não se aplica na vida íntima. As gravações da atração – algumas a respeito de sexo e relacionamentos – fizeram a artista refletir a respeito dos próprios desejos e frustrações.

“Descobri que tenho 42 anos e nenhuma fantasia sexual realizada”, comentou em entrevista a Raquel Carneiro, da Veja.

“Já melhorei bastante minha relação com a culpa que vem da religião. Mas sou muito pudica na relação de homem e mulher”, relatou Luana, de formação evangélica e ex-aluna de colégio católico.

Sem freio na língua e cronista do dia a dia nas redes sociais, Piovani culpa o povo pelo caos e a desesperança no País.

“O fato de o brasileiro satisfazer-se com futebol, Carnaval, cerveja e praia nos leva a viver anestesiados.”

Piovani não agrada a todos, e nem tem a intenção de fazê-lo, aliás. Esta postura autêntica é uma virtude admirável.

Em um universo artístico marcado por comportamentos falsos, discursos politicamente corretos e falta de coragem de se expor, a atriz se destaca por ir contra a maré.

Sim, ela já pagou um preço alto por ser quem é e como é: perdeu papéis na TV e não faz parte das ‘panelinhas’ de autores, diretores e chefões da TV.

Destemida, Luana Piovani se reinventa de tempos em tempos para garantir a liberdade de expressão e a sobrevivência profissional.

Em conversa com jornalistas na coletiva e na festa de seu reality show, ela disse que recebeu convites para atuar em novelas portuguesas. Pretende aceitá-los.

É mais um artista de personalidade marcante que o Brasil perde.

Jeff Benício / Terra