Procuradoria defende programa de trainee só para negros

Foto: Divulgação/Magazine Luiza

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão do Ministério Público Federal considerou a iniciativa da Magazine Luiza, que promoveu um programa de trainee só para negros, como “louvável e incensurável”. Na última semana, a campanha foi alvo de uma ação civil movida pelo defensor público Jovino Bento Júnior em processo que provocou mal-estar dentro da Defensoria da União.

Em nota enviada ao portal Terra, os procuradores Marco Antonio Delfino de Almeida e Carlos Alberto Vilhena não citam nominalmente a ação do defensor, mas criticam o uso da expressão “racismo reverso” para tentar enquadrar o trainee da Magazine Luiza como ilegal.

“A alegação de ‘racismo reverso’ constitui uma falácia retórica para encobrir o privilégio que contempla, historicamente, as parcelas hegemônicas da sociedade brasileira; esse argumento enganoso busca enfraquecer a evidência do racismo estrutural”, afirmam.

“Não é possível confundir com racismo medidas destinadas a reparar distorções e desigualdades sociais e demais práticas discriminatórias adotadas, nas esferas pública e privada, durante o processo de formação social do Brasil” completara a nota.

Os dois procuradores destacaram a iniciativa da Magazine Luiza como “louvável e incensurável” por destinar oferta de vagas a grupos historicamente excluídos, “a despeito das controvérsias e dos confrontos de opiniões que a iniciativa gerou na sociedade brasileira”. (bahia.ba)