“Quero ser alguém que prega a cruz”, diz Benny Hinn sobre abandono à teologia da prosperidade

0
326
-
Foto: Reprodução

Benny Hinn diz que seu coração está mudando. Aos 67 anos, o televangelista mundialmente conhecido por ensinar a teologia da prosperidade, agora vê a doutrina que pregou como uma “ofensa ao Espírito Santo”.

Em uma pregação recente, o pregador afirmou que se sentia “doente do estômago” ao pensar sobre a teologia da prosperidade. A repercussão da declaração mobilizou milhões de cristãos ao redor do mundo, todos surpresos.

- Anúncio -

O fundador da revista pentecostal Charisma News, Stephen Strang, publicou um artigo sobre o tema e comentou a decisão do famoso televangelista: “Conheço Benny há muitos anos. Nossa amizade remonta a antes de eu fundar a revista Charisma em 1975, e eu estava no casamento dele”, contextualizou.

No texto, Strang conta que Benny Hinn disse a ele que sua mudança de opinião sobre a teologia da prosperidade não está ocorrendo por causa de seus críticos, como seu sobrinho, pastor Costi Hinn. “Em vez disso, a mudança de coração de Benny veio de horas estudando a Palavra de Deus dia e noite, além de profunda reflexão e oração. Ele me diz que inicialmente entrou no ministério por amor a seu mestre, Jesus, mas à medida que seu ministério cresceu em fama, ele se distraiu”, contou o editor da Charisma.

No podcast de Strang, Benny Hinn se aprofundou sobre o assunto: “Meu amor nunca mudou. Acabei por me distrair. Hoje, tenho 67 anos e penso em ‘Como vou terminar? O que vou deixar para a próxima geração? Como eles vão me ver?’ Quero que eles me vejam como alguém que prega a cruz. Não quero ser conhecido pela prosperidade. Quero ser conhecido por alguém que pregou a cruz de Jesus, Salvação”, declarou.

Na entrevista, Benny afirmou que foi usado por muitos ministérios para arrecadar dinheiro para suas causas, e admitiu que via as pessoas aceitando seus apelos por doações sabendo que as mensagens pregadas por esses ministérios com os quais ele trabalhou não eram bíblicas.

“Naquela época, eu não tinha coragem ou ousadia para dizer ‘olha, pare com isso’. Hoje, desculpe, não posso permitir isso. Nem jamais permitirei isso… É manipulação. É indecifrável dizer a alguém: ‘Você dá US$ 1.000, vai ganhar cem vezes mais’. E se eles não receberem cem vezes mais? E a maioria não [recebe]. O que acontece com a caminhada com o Senhor e com a fé?”, acrescentou Benny Hinn, expressando seu arrependimento.

Stephen Strang observou as declarações do colega televangelista e afirmou que essa atitude é um fato inédito: “Certos pregadores carismáticos e pentecostais certamente caíram em excesso com essa teologia. Mas isso não significa que a prosperidade por si só não seja bíblica”, opinou.

Benny, por sua vez, fez questão de deixar claro que o problema não está na prosperidade, mas na distorção da mensagem: “Acredito na Bíblia do começo ao fim. Não posso tirar o fato de que Deus quer abençoar Seu povo. Está na Bíblia – Antigo e Novo Testamento. Mas o Senhor que amamos deixou muito claro para nós que Ele atenderá nossas necessidades, onde quer que vivamos. Ele cuidará de nós”.

O livro de Atos é, segundo Stephen Strang, “um grande exemplo de prosperidade bíblica” pois o testemunho narrado dos primeiros cristãos é que eles “não tinham falta de nada de que precisavam, e embora a fome tenha chegado e ameaçado destruir muitas famílias cristãs, o apóstolo Paulo aceitou uma oferta de igrejas em todo o mundo conhecido pela igreja em Jerusalém”.

Novamente, Benny Hinn aprofundou seu exercício de autocrítica para explicar que a teologia da prosperidade distorce a mensagem: “O que tenho que deixar claro é que, número um, acredito na Bíblia. Acredito que Deus quer abençoar Seu povo. Acredito que Ele quer que tenhamos sucesso na vida. Absolutamente. Mas o foco deve ser Ele”.

Essa reflexão que levou o televangelista a se arrepender de seus excessos e distorção da Palavra ocorreu depois de participar de um evento onde, inegavelmente, ocorreram abusos na pregação da teologia da prosperidade. “O palestrante convidado pediu às pessoas que dessem US$ 1.000. Um homem de negócios – eu não sei o nome dele – deu um cheque grande. E ele me olha na minha cara e diz: ‘Vou ver se isso vai funcionar. Se isso não funcionar, Eu saberei tudo isso – não quero usar a palavra [que ele usou]… E estou pensando: é isso que as pessoas pensam. Temos que trazê-las de volta à Bíblia”, disse Benny Hinn.

“Minha esperança e oração é que outros […] que estão ensinando isso, que voltem ao que a Bíblia ensina. Vamos nos concentrar em Jesus. Vamos nos concentrar novamente em amar a Jesus. Vamos nos concentrar novamente no Evangelho. Vamos nos concentrar novamente na vida e nas necessidades das pessoas. E isso também as protege de danos”, finalizou o televangelista.

Em seu artigo, Stephen Strang diz ter sentido sinceridade da parte do amigo: “Sou grato por Benny estar falando agora e agradeço seu coração por proteger e nutrir o rebanho. Ele deixou claro para mim que tudo o que ele quer fazer a partir de agora é apontar as pessoas para Jesus Cristo”.

por Tiago Chagas – Gospel Mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui