Tite admite risco ao manter Coutinho em próximo amistoso

0
106
-
Foto: © Lucas Figueiredo/CBF

Tite admitiu que corre riscos ao manter a sua aposta em Philippe Coutinho como titular da seleção brasileira. Em entrevista coletiva hoje em Praga, na República Tcheca, na véspera do amistoso contra os donos da casa, o treinador respondeu a uma questão que comparou a atual situação com a sua insistência por Gabriel Jesus como titular na Copa do Mundo.

Segundo ele, é inevitável que o comandante de uma equipe tome decisões em nome do que ele acredita estar certo. No treino desta segunda, ele confirmou que o meio-campista do Barcelona continuará entre os titulares apesar da atuação ruim no 1 a 1 com o Panamá.

- Anúncio -

“Eu corro todos os riscos como treinador, inclusive esse (manter o Coutinho titular). Esses riscos e a pressão em cima das minhas escolhas são inevitáveis do cargo e do meu trabalho. A minha coerência com o Coutinho é dar uma sequência ao trabalho dele. Colocá-lo ao lado do Paquetá, dar tempo e repetir o esquema de jogo. O exercício do dia a dia, no jogo a jogo, vai me falar. Então eu corro esse risco, sim”, afirmou o gaúcho.

Coutinho vive um de seus piores momentos desde 2016, mas conta com a boa vontade do treinador por conta de seu passado recente com a amarelinha. O próprio comandante citou o termo “complacência” para descrever a aposta em seu meio-campista.

Coutinho vive um de seus piores momentos desde 2016, mas conta com a boa vontade do treinador por conta de seu passado recente com a amarelinha. O próprio comandante citou o termo “complacência” para descrever a aposta em seu meio-campista.

Tite também aproveitou a coletiva para rever a sua posição na análise do jogo disputado no Estádio do Dragão, no Porto. Após o jogo, ele admitiu que o resultado não havia sido bom, mas ponderou que houve pontos positivos no desempenho da equipe. Já nesta segunda, ele deixou seu pensamento mais claro.

“No jogo contra o Panamá, talvez eu tenha deixado claro, a equipe jogou mal e empatou. A projeção era jogar bem e vencer. Há um risco em simplificar as coisas, a simplificação é perigosa. Mas a equipe jogou mal. Depois a gente contextualiza. O processo ofensivo, de criação, é difícil de acontecer e, neste contexto, vou repetir Coutinho, Paquetá, Firmino e Richarlison. Preciso ter certa coerência”, completou.

O Brasil entra em campo amanhã pela última vez antes da convocação para a Copa América, marcada para o dia 17 de maio. A seleção começa a se concentrar no dia 20, em Teresópolis.

RICHARLISON

O comandante explicou que tem tido um trabalho de dar chance a atletas que ele ainda não conhece para definir a lista de convocados para a Copa América. Ainda assim, alguns jogadores podem deixar a data Fifa sem minutos em campo. Segundo eles, há outros critérios que serão observados para definir os que foram bem. Ele, inclusive, fez um mea-culpa ao explicar o erro que cometeu ao tentar mudar a estrutura do time colocando Richarlison e Jesus para atuarem dentro da área.

“O erro que eu cometi ao tirar o Richarlison da ponta. Eu tentei colocar uma dupla de atacante mais pesada e aí tirei o Richarlison do jogo. O aprendizado não é teórico, eu tirei o cara da beirada, coloquei na dupla e ele na combinação não foi”, afirmou. Com informações da Folhapress.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui