Transmissões do coronavírus por pessoas sem sintomas podem responder por até 60% do total, avaliam estudos

-
Foto: Divulgação

Estudos apontam que até 60% das transmissões do novo coronavírus (Sars-CoV-2) ocorrem por meio pessoas sem sintomas da doença Covid-19 – trata-se dos chamados casos assintomáticos. Esses dados têm sido obtidos em pesquisas científicas recentes e são endossados por especialistas ouvidos pelo G1.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) tem o registro de 19 pesquisas sobre transmissões de pessoas assintomáticas e pré-sintomáticas (que não manifestaram sintomas na hora da transmissão, mas desenvolveram posteriormente).

Os resultados apontam que:

6,4% das 157 pessoas monitoradas em pesquisa do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos em 16 de março haviam sido infectadas por pacientes pré-sintomáticos. Nesse caso, a transmissão ocorreu em um intervalo entre um e três dias antes da manifestação dos sintomas pelo paciente-fonte;
na China, os assintomáticos foram responsáveis por transmissões de 46% a 62% dos casos, segundo pesquisadores da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, em um estudo publicado em 16 de março com base em dados coletados e um modelo de metapopulação;
48% das transmissões em Singapura e 62% na cidade de Tiajin, na China, tiveram origem em pessoas assintomáticas, segundo estudo desenvolvido por pesquisadores holandeses e belgas, publicado em 18 de março.
A OMS diz que o “risco de contrair Covid-19 de alguém sem sintomas é muito baixo”, mas que está “avaliando pesquisas em andamento sobre o período de transmissão do Covid-19 e continuará a compartilhar descobertas atualizadas”.

Outros materiais estão sendo produzidos, mas ainda estão nas fases de pré-print (quando o artigo ainda não passou pela revisão por pares).

“O infectado que não tem sintomas não toma os cuidados necessários com secreções e em momentos de tosse e espirro, porque ele não sabe que está doente e isso aumenta o risco potencial de infecção”, diz professor Gonzalo Vecina Neto, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP).

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse na quarta-feira (1º) que máscaras de proteção podem servir como barreira eficiente para a população em geral contra o coronavírus. A sugestão de Mandetta tem como foco o uso de máscaras alternativas, preservando as cirúrgicas e as N95 para os profissionais de saúde.

Por que ocorre transmissão antes dos sintomas?

De acordo com o epidemiologista André Ribas, o vírus consegue se replicar na mucosa nasal e bucal (fora da mucosa respiratória) e por isso está presente na saliva e nas secreções antes que o infectado passe a manifestar os sintomas. “A mucosa da via respiratória alta [nariz] expressa o gene do vírus, por isso ele se replica bastante nessa região”, disse.

Um estudo de pesquisadores alemães publicado na revista “Nature” nesta quarta analisou nove casos, provou a replicação do vírus nos canais respiratórios superiores e constatou uma alta dispersão do vírus nas primeiras semanas.

O professor Vecina Neto explica que isso se deve à concentração do vírus na orofaringe (região da garganta).

“Conforme o paciente avança para estágios mais graves, o vírus entra na árvore brônquica e fica mais distante dos canais de saída”, diz Vecina Neto.

O comportamento é diferente do registrado pela Síndrome Respiratória Aguda Grave, causada pelo coronavírus Sars-CoV-1, que causou um surto na China entre 2002 e 2003. Segundo Vecina Neto, esse vírus (da mesma família do novo coronavírus) se replicava no pulmão.

“A transmissão do Sars antigo só começava depois que o pulmão estava afetado. Portanto só transmitia em período sintomático. Por isso, foi mais fácil ser controlado”, explica.

O epidemiologista André Ribas afirma que não é apenas o novo coronavírus que tem uma característica diferente, já que o mesmo ocorre com os vírus da dengue e da Influenza.

“Mas, com a dengue a Influenza, a transmissão pré-sintomática é muito baixa – seu pico ocorre no período sintomático. O problema é que a parte pré-sintomática de transmissão do novo coronavírus é muito alta, como têm apontado as pesquisas”, afirma.

Segundo o médico, como é impossível precisar a proporção de assintomáticos em toda a população, a porcentagem nas transmissões pode ser ainda maior. “A transmissão assintomática só é rastreável quando tem um contexto para que se saiba sua origem.”


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui