Um mês da série B, Bahia está no top 5 dos piores aproveitamentos

(Montagem em foto de Lucas Figueiredo/CBF)

O Bahia não faz um bom início de temporada. Vive situação complicada no Campeonato Baiano, mais perto do Z4 que do G4, e está fora da zona de classificação da Copa do Nordeste. O momento turbulento também preocupa para a Série B: é a 5º pior campanha entre os times que disputarão a segunda divisão em 2022.

A competição começa em pouco menos de um mês, com a concorrida briga pelas quatro vagas na elite do futebol brasileiro. Mas, se depender dos rendimentos até aqui, o Esquadrão corre o perigo de viver uma luta na parte de baixo da tabela. Com 38% de aproveitamento, o tricolor só vive situação melhor que o Criciúma (que só entrou em campo uma vez), Tombense, Ponte Preta e Novorizontino.

Esse último, aliás, disputará a Série B pela primeira vez, mas vive uma campanha terrível em 2022, e ainda não conseguiu vencer no ano. Até aqui, fez 10 partidas pelo Paulistão, com três empates e oito derrotas. Também entrou em campo uma vez pela Copa do Brasil, e perdeu para o Tuna Luso por 1×0, fora de casa.

Além do Novorizontino, apenas uma equipe da segunda divisão ainda não venceu: o Criciúma. Por outro lado, o Tigre de Santa Catarina fez apenas um duelo na temporada, pela Copa do Brasil, e empatou sem gols com o Nova Iguaçu.

No outro lado da ‘tabela’, Cruzeiro e Brusque despontam, com mais de 70% de aproveitamento na temporada. A Raposa é a líder do ranking, com 73,3%, enquanto o clube de Santa Catarina aparece na cola, com 72,7%. O Vasco, um dos favoritos ao acesso, fecha o top 3, com 63,9%. E o CSA é o primeiro nordestino: em quarto, com 61,9% de rendimento.

Veja abaixo os números detalhados dos 20 times que irão disputar a Série B em 2022. A ordem é crescente, com os melhores aproveitamentos acima.

  • Cruzeiro: 10 jogos, com 7 vitórias, 1 empate e 2 derrotas (73,3% de aproveitamento)
  • Brusque: 11 jogos, com 7 vitórias, 3 empates e 1 derrota (72,7% de aproveitamento)
  • Vasco: 12 jogos, com 7 vitórias, 2 empates e 3 derrotas (63,9% de aproveitamento)
  • CSA: 14 jogos, com 7 vitórias, 5 empates e 2 derrotas (61,9% de aproveitamento)
  • Sampaio Corrêa: 12 jogos, com 7 vitórias, 1 empate e 4 derrotas (61,1% de aproveitamento)
  • Vila Nova: 12 jogos, com 6 vitórias, 4 empates e 2 derrotas (61,1% de aproveitamento)
  • Náutico: 15 jogos, com 8 vitórias, 3 empates e 4 derrotas (60% de aproveitamento)
  • Operário-PR: 12 jogos, com 6 vitórias, 3 empates e 3 derrotas (58,3% de aproveitamento)
  • Grêmio: 11 jogos, com 5 vitórias, 3 empates e 3 derrotas (54,5% de aproveitamento)
  • CRB: 14 jogos, com 6 vitórias, 4 empates e 4 derrotas (52,4% de aproveitamento)
  • Londrina: 12 jogos, com 5 vitórias, 3 empates e 4 derrotas (50% de aproveitamento)
  • Ituano: 10 jogos, com 4 vitórias, 3 empates e 3 derrotas (50% de aproveitamento)
  • Sport: 15 jogos, com 5 vitórias, 6 empates e 4 derrotas (46,7% de aproveitamento)
  • Chapecoense: 12 jogos, com 5 vitórias, 1 empate e 6 derrotas (44,4% de aproveitamento)
  • Guarani: 11 jogos, com 4 vitórias, 1 empate e 6 derrotas (39,4% de aproveitamento)
  • Bahia: 14 jogos, com 4 triunfos, 4 empates e 6 derrotas (38,1% de aproveitamento)
  • Criciúma: 1 jogo, com 1 empate (33,3% de aproveitamento)
  • Tombense: 10 jogos, com 2 vitórias, 3 empates e 5 derrotas (30% de aproveitamento)
  • Ponte Preta: 11 jogos, com 2 vitórias, 2 empates e 7 derrotas (24,2% de aproveitamento)
  • Novorizontino: 11 jogos, com 3 empates e 8 derrotas (9,1% de aproveitamento)