Bahia está sem soro antiofídico para picada de Jararaca, diz Sesab; estado pediu doses emprestadas ao Pernambuco

O soro polivalente é capaz de neutralizar o envenenamento por jararacas e cascavéis — Foto: Willianilson Pessoa/Arquivo

A Secretaria da Saúde da Bahia divulgou, na tarde desta sexta-feira (18), que o estado está desabastecido de soro antiofídico para picada de Jararaca (antibotrópico). O problema, originado no Ministério da Saúde, atinge outros estados brasileiros, de acordo com a nota.

O soro antiofídico é utilizado como antídoto quando uma pessoa é picada por uma serpente. O produto é formado por anticorpos, que têm a função de neutralizar o veneno que se encontra no sangue e nos tecidos da pessoa que sofreu a picada.

A Jararaca é considerada uma cobra perigosa, cujo veneno pode provocar lesões no local da picada, tais como hemorragia e necrose que podem levar, em casos mais graves, a amputações dos membros afetados.

Segundo a Sesab, o Centro de Informação e Assistência Toxicológica (Ciatox), que fica no Hospital Geral Roberto Santos, não realiza aplicação do soro e, a princípio, não há necessidade de deslocar o paciente para a capital Salvador.

A nota detalha que ao surgir um caso que necessite ser tratado com o soro, o profissional de saúde do município deve entrar em contato com as regionais para identificar o local mais próximo para aplicação ou remanejamento do imunobiológico.

Ainda conforme a Sesab, o Ciatox-BA conseguiu emprestadas, de forma emergencial, 100 ampolas do soro com o estado de Pernambuco, até a chegada da remessa do Ministério da Saúde, que está prevista para os próximos dias.

O Ministério da Saúde foi procurado para comentar o assunto, porém, até a publicação dessa reportagem, não houve retorno. (G1)