China lança primeiro módulo de sua futura estação espacial

Foto: AFP Photo

A China informou que lançou nesta quinta-feira (29) o primeiro dos três módulos de sua estação espacial, um projeto que deve permitir a Pequim ter astronautas permanentemente no espaço.

O módulo foi impulsionado por um foguete Longa Marcha 5B do centro de lançamento de Wenchang na ilha tropical de Hainan (sul), de acordo com uma transmissão ao vivo na televisão pública CCTV.

A montagem da Estação Espacial Chinesa (CSS) durará mais de um ano e será realizada em cerca de dez missões sucessivas – incluindo quatro tripuladas. Deve estar operacional em 2022.

Operará em órbita terrestre baixa – entre 340 e 450 km de altitude – e será semelhante à antiga estação russa “Mir” (1986-2001). Sua vida útil é estimada entre 10 e 15 anos.

O peso estimado é de mais de 90 toneladas, três vezes menor do que a Estação Espacial Internacional (ISS).

Com 16,6 metros de comprimento e 4,2 metros de diâmetro, o módulo Tianhe, que constituirá a parte central do CSS, será o espaço onde os astronautas vão morar e o centro de controle da estação.

O CSS, cujo nome chinês é Tiangong (“Palácio Celestial”), coexistirá em órbita ao redor da Terra com a ISS, que deve permanecer operacional por mais alguns anos.

A emissora chinesa não tem vocação para se tornar um lugar de cooperação internacional como a ISS, mas a China se declarou aberta a colaborações com o exterior.

Durante décadas, a China investiu bilhões em seu programa espacial para alcançar europeus, russos e americanos.

O gigante asiático enviou seu primeiro astronauta ao espaço em 2003.

Uma sonda chinesa pousou do outro lado da Lua em 2019, uma inovação mundial. No ano passado ele trouxe amostras.

Pequim planeja colocar um pequeno robô com rodas em Marte em maio. Além disso, a agência espacial chinesa anunciou sua intenção de construir uma base lunar com a Rússia. (Fonte: G1)