Falta de vacina pentavalente que protege bebês afeta maioria de postos de saúde na BA

0
70
-
Foto: Gustavo Duarte/Prefeitura de Cuiabá

A vacina pentavalente está em falta na maioria dos postos de saúde da Bahia. O problema começou depois que doses compradas pelo Ministério da Saúde foram reprovadas no teste de qualidade feito pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), em julho.

Direcionada a bebês, a vacina protege contra cinco doenças: difteria, tétano, coqueluche, a bactéria haemophilus influenza tipo B (responsável por infecções no nariz e na garganta) e hepatite B. As crianças devem tomar três doses, administradas aos 2, 4 e 6 meses de idade.

- Anúncio -

Em nota, o Ministério da Saúde informou que o abastecimento deve ser normalizado em novembro.

Fornecimento suspenso

Segundo a Secretaria Estadual da Saúde (Sesab), em média 60 mil doses da pentavalente deveriam ser distribuídas por mês no estado. Contudo, o fornecimento está suspenso.

“O que a gente tem agora é um desabastecimento excepcional nos meses de agosto e setembro. Então, dois meses sem vacinar as crianças na rede. Isso representa, só aqui na Bahia, 120 mil crianças, que estarão aguardando doses para o próximo mês”, disse a enfermeira Megue Sales.

Com a baixa da vacina, apenas 14 postos de Salvador estão abastecidos. Eles ficam nos bairros da Barra, Rio Vermelho, Liberdade e localidades do subúrbio ferroviário.

No Ambulatório Materno-Infantil Professor Nelson Barros, no bairro do Pelourinho, Centro Histórico da capital baiana, por exemplo, o estoque da vacina acabou desde o início de agosto.

No posto de saúde de Canabrava, o problema é o mesmo. O pequeno Bernardo deveria tomar a segunda dose da vacina na unidade, mas voltou paqra casa com a carteirinha incompleta.

“A única que ficou faltando foi a pentavalente. Falaram que está em falta em praticamente todo o estado e pediram para quanto mais cedo conseguir encontrar um posto que tenha, para poder estar prevenido”, contou Aisla Silva, tia de Bernardo.

A mãe de Mariana, de 4 meses, rodou vários postos da cidade, mas não encontrou a vacina. Ela conta que pagou R$ 380 em uma clínica particular para imunizar a filha.

“Quando eu comecei a percorrer outros postos, ligar para os amigos que trabalham na área, em busca da vacina, e não estava encontrando, eu fiquei apreensiva. Porque, assim, a vacina é importante para a criança, principalmente nessa fase de desenvolvimento. Aí, eu fui buscar na rede privada”, disse a mãe. (G1)


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui