Marcelinho Guimarães diz que confia na Justiça, após ser condenado a pagar R$ 1 milhão ao Bahia

-
Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia/Divulgação

Após ser condenado pela Justiça a pagar R$ 1 milhão ao Bahia, o ex-presidente do clube, Marcelo Guimarães Filho, publicou uma nota de esclarecimento. A condenação faz parte de uma ação movida pelo clube em 2016, que pede um valor de R$ 44 milhões.

Em nota, Marcelo Guimarães Filho, disse que a ação movida contra ele não possui “qualquer fundamento” e que os valores pedidos são “absurdos e delirantes”. Ainda de acordo com a nota, o vice-presidente do Bahia, Vitor Ferraz, tenta “induzir a erro, utilizando o poder midiático do Esporte Clube Bahia como forma de pressão”.

O ex-presidente diz que o recurso pedido pelo seu advogado “visava tão somente que o Juízo enfrentasse devidamente as questões suscitadas, possibilitando eventual recurso para correção do rumo da temerária demanda e seu imediato encerramento”, que ele “continua confiando na Justiça” e que ” utilizará de todos os meios permitidos pelo ordenamento jurídico brasileiro para fazer prevalecer a verdade e a Justiça”. (Bahia.Ba)

Confira a nota completa:

“Marcelo Guimarães Filho repudia matéria jornalística divulgada pelo Vitor Ferraz que insiste em reverberar notícias com seu nome, esclarecendo o real conteúdo da decisão provisória proferida na ação judicial movida em 2016 pelo Esporte Clube Bahia, quando o mesmo ocupava ainda o cargo de diretor Jurídico do Clube e ajuizou um processo cobrando absurdos e delirantes R$44.000.000,00 (quarenta e quatro milhões de reais), sem qualquer fundamento, conforme irá ser demonstrado quando for iniciada a fase instrutória da referida ação, momento em que confia que lhe será assegurado a ampla defesa e contraditório com os meios e recursos a elas inerentes.

Com efeito, Marcelo Guimarães Filho tomou conhecimento hoje pela manhã da decisão proferida pelo Juízo da 1ª Vara Cível de Salvador, não mais se surpreendendo com a imediata divulgação pelo Vitor Ferraz na insana tentativa de constranger, induzir a erro, utilizando o poder midiático do Esporte Clube Bahia como forma de pressão, situação completamente descabida.

Na realidade, por força de decisão com vícios em razão do não enfrentamento de relevantes questões de ordem pública – prescrição da pretensão indenizatória e ilegitimidade de parte de Marcelo Guimarães Filho – foi apresentado na ação indenizatória, por seu advogado, o recurso adequado e que visava tão somente que o Juízo enfrentasse devidamente as questões suscitadas, possibilitando eventual recurso para correção do rumo da temerária demanda e seu imediato encerramento.

O que se observa, portanto, é que Marcelo Guimarães Filho continua confiando na Justiça, não irá se curvar as tentativas imorais de constrangimento, deixando claro que não se curvará aos insatisfeitos de plantão e utilizará de todos os meios permitidos pelo ordenamento jurídico brasileiro para fazer prevalecer a verdade e a Justiça.

Atenciosamente,
Marcelo Guimarães Filho”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui