Mari Ruy usa tênis em trio e é criticada, mas fez melhor escolha para saúde

-
Marina Ruy Barbosa posa em cima do trio de Ivete Sangalo, em Salvador

A atriz Marina Ruy Barbosa foi criticada por alguns internautas que foram até o seu Instagram “reclamar” que ela estava de tênis no trio de Ivete Sangalo, em Salvador.

“Vi gente reclamando que eu estava de tênis. Que não é tão minha cara. É um trio, galera. Se eu fosse de salto, ia ter gente reclamando também. Só pra vocês sacarem. É Carnaval, deixa a roupa do povo em paz. Se preocupe em pular, beijar e ser feliz”, ensinou.

O Carnaval é uma festa democrática, cada um usa a roupa ou fantasia que quiser, mas, segundo os médicos, a escolha de Marina foi a mais acertada para a saúde dos pés e da coluna. “Os pés dão sustentação ao corpo e suportam todo o impacto sofrido, os joelhos sofrem pelo longo tempo em que se fica de pé e, quando sambamos, pulamos ou dançamos, a rápida mudança de direção aumenta o perigo de lesões e desgastes”, alerta Leandro Gregorut, ortopedista do Hospital Sírio Libanês (SP), especialista em joelho, ombro e cotovelo, e especialista em Medicina Esportiva pela Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte.

O normal é que as pessoas passem muitas horas em pé na folia, sendo assim, a melhor escolha é usar roupas leves e sapatos confortáveis, evitando bolhas e calor em excesso. Para quem vai de bloquinho em bloquinho, evite usar chinelos, rasteirinhas, sandálias e sapatilhas. Esses calçados não protegem os pés das irregularidades do solo e não têm o amortecimento necessário. Tênis com uma elevação de até 3 cm são a pedida para os foliões que vão passar muito tempo em pé.

“Sandálias rasteiras não são indicadas porque aumentam a pressão no calcanhar e elevam o risco de esporão de calcâneo e fascite plantar, além de possíveis pisões que podem gerar fraturas, quedas e torções. Tênis com sistema de amortecimento são os ideais pelo fato de não deixarem os pés completamente retos”, explica Rafael Fonseca, ortopedista especialista em cirurgia de joelho e quadril dos hospitais Albert Einstein e Samaritano, ambos em São Paulo.

Quer usar salto? Fonseca recomenda o uso de calçados com plataforma na parte da frente e saltos de até 3 centímetros, que evitam que os pés inchem e fiquem com calos e bolhas. Prefira também aqueles que mantém os dedos dos pés com bom espaçamento e que sejam plataforma em todo o trajeto, sem deixar o pé em ângulo muito elevado.

Para os homens, também é necessário que haja salto no sapato, de até três centímetros. Por isso, os tênis com amortecedores também são as melhores opções, porque têm essa inclinação e absorvem o impacto. Preste atenção nos seus limites, dor nos pés, tornozelos e joelhos são alertas de que algo não está bem.

Cuidados após um dia de folia

Ao fim de um dia de folia, é comum que as pessoas cheguem com dores nas pernas e inchaço. Na maioria das vezes, esses sintomas são provenientes de um grande esforço físico, entretanto, também podem sinalizar problemas de saúde, como a trombose.

De acordo com Bruno Naves, presidente da SBACV (Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular), após um longo dia nos blocos ou desfiles de Carnaval, o ideal é que a pessoa faça uma compressa fria nas pernas e, depois, massageie os pés em direção aos joelhos com um creme hidratante. Esse procedimento melhorará a circulação sanguínea e trará uma sensação de relaxamento.

Em caso de desconforto em pernas e pés, Rafael Fonseca recomenda colocá-los para o alto por meia hora e fazer massagens para estimular o retorno venoso, além de aplicar compressas frias e quentes, alternadamente, para ativar a circulação e diminuir o edema.

A dor causada por um exercício que não se está habituado é normal, e o corpo tende à cura. Tomar medicamentos não é indicado. Fonseca também orienta massagear os pés com auxílio de uma bolinha de tênis.

A hidratação é outro fator muito importante, principalmente se a pessoa estiver consumindo bebidas alcoólicas ou debaixo do sol por muito tempo. “O consumo de álcool causa inchaço. Para evitar, é importante beber com moderação e se hidratar bastante, mas com água”, alerta Naves.

Pessoas diagnosticadas com problemas vasculares devem ter cuidado dobrado na hora de cair na folia, para evitar transtornos futuros. Naves explica que pessoas com trombose venosa profunda, embolia pulmonar ou doenças causadas por falta de circulação em que o paciente sente dor mesmo sem esforço físico, não devem sair para os blocos de rua ou desfiles.

Já pessoas com varizes, precisam evitar o esforço das pernas por tempo prolongado, pois quando há uma dilatação intensa dos vasos sanguíneos, aumenta-se o risco de rompimento, principalmente pelo excesso de calor e trauma local. Pacientes com a doença arterial obstrutiva periférica (DAOP) devem proteger os pés, para que não haja ferimentos. Sapatos confortáveis e fechados são extremamente importantes.

O repouso é também importante para recompor as energias e aproveitar o dia seguinte com a mesma alegria. O longo tempo em pé, pulando e dançando pode trazer fadiga muscular. “A orientação aqui é o descanso. O corpo precisa disso. Cremes refrescantes à base de aloe vera, por exemplo, ajudam para o relaxamento dos músculos das pernas. Na hora dessa pausa para o descanso, sentado ou deitado, manter as pernas elevadas ajuda muito a combater as dores”, finaliza Francisco Simi, cirurgião vascular.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui