Terminal do ferry boat em Salvador tem longas filas para veículos; cambista é preso às vésperas de feriadão

-
Foto: Reprodução/TV Bahia

O terminal do ferry boat de Salvador, que fica na região da Feira de São Joaquim, amanheceu com longas filas de veículos nesta sexta-feira (9), por causa do feriado prolongado de Nossa Senhora Aparecida, comemorado na segunda (12). O trânsito está lento na Avenida Engenheiro Oscar Pontes.

A fila já passa do Complexo Educacional Oscar Cordeiro, onde fica o Colégio Estadual Landulfo Alves. Com isso, a lentidão do trânsito reflete na Rua Barão de Cotegipe, que é a saída da Península de Itapagipe.

No início da manhã, um homem de 38 anos foi preso por vender passagens de forma ilegal no terminal da capital. No esquema, os cambistas compram os bilhetes pelo preço normal e revendem para passageiros por valores muito acima do praticado, como forma de evitar as filas que se formam no terminal.

O homem foi detido e levado para a 5ª delegacia, que fica na área de Periperi/Praia Grande. Segundo a Polícia Militar, ele já havia sido preso pelo mesmo esquema antes.

O tempo médio de espera no ferry é de 2h30, segundo os passageiros. Na quinta-feira (8), a Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia (Agerba) anunciou a ampliação da capacidade de veículos nas embarcações para 75%.

Do início da pandemia até a quinta, o sistema operava com 50% da capacidade total. Esse percentual segue sendo aplicado para o quantitativo de pedestres. A fila para os passageiros é tranquila nesta manhã e o movimento está sendo ordenado por fiscais no local.

Lanchas

As lanchas que fazem a travessia do sistema Salvador – Mar Grande também registram fluxo intenso de passageiros nesta manhã. A previsão da Associação dos Transportadores Marítimos da Bahia (Astramab) é de que o movimento se intensifique durante o dia.

A travessia conta com seis embarcações em tráfego, que saem a cada hora nos terminais de Vera Cruz, na ilha de Itaparica, e Comércio, em Salvador. Segundo a Astramab, horários extras podem ser abertos para agilizar as operações, caso haja mais demanda. (G1)