Abraham Weintraub diz que está saindo do Brasil “o mais rápido possível”

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Um dia após ser demitido do Ministério de Educação (MEC), Abraham Weintraub publicou no Twitter que está “saindo do Brasil o mais rápido possível”. O ex-ministro afirma não querer brigar, pede para o deixarem “em paz” e que não o provocarem.

A publicação foi destinada para a “tigrada e aos gatos angorás (gov bem docinho) [sic]”, sem dar nomes. No tweet anterior, Weintraub responde a uma postagem do governador de São Paulo, João Dória (PSDB), chamando-o de “docinho” em tom jocoso. Na postagem, Dória afirmava que a gestão do ex-ministro significou “anos de atraso” em uma das “áreas mais sensíveis para o futuro do País”.

Em vídeo de despedida, Weintraub anunciou que assumirá cargo no Banco Mundial. O governo brasileiro oficializou a indicação de Abraham Weintraub para diretor-executivo do órgão nessa quinta-feira, 18. A cadeira na diretoria liderada pelo Brasil representa Colômbia, Equador, Trinidad e Tobago, Filipinas, Suriname, Haiti, República Dominicana e Panamá.

Esta é a segunda demissão de ministro da Educação em pouco mais de um ano. Em abril passado, Weintraub entrou no lugar de Ricardo Vélez. O Ministério da Saúde (MS) também já protagonizou a demissão de dois ministros, durante pandemia de Covid-19, Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. Além deles, o governo Bolsonaro acumula mais seis demissões de ministros: Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública), Osmar Terra (Cidadania), Gustavo Canuto (Desenvolvimento Regional), Floriano Peixoto (Secretaria-Geral da Presidência), Santos Cruz (Secretaria de Governo) e Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral). (O Povo)