S. A. de Jesus: Hospital e Maternidade Luiz Argolo realiza parto de emergência de gêmeas siamesas

0
1413
-
Foto: Reprodução

A dona de casa Liliane Silva dos Santos, 35 anos, teve uma grande surpresa ao realizar exames de pré-natal de sua terceira gestação: estava grávida de gêmeas, siamesas. Durante o procedimento, o obstetra notou que as crianças estavam ligadas pelo abdômen. As recém-nascidas já tem os prenomes de ‘Laura e Laís’, e permanecem internadas em observação e aguardam transferência para o especializado Hospital Materno Infantil em Goiânia, estado de Goiás.

O parto de siameses é muito raro e o primeiro realizado Santa Casa e Hospital Maternidade Luiz Argolo em Santo Antônio de Jesus no recôncavo baiano.  Em entrevista ao Voz da Bahia, a médica pediátrica Jussara Argolo Guilhardi informou que o  parto de emergência não estava  previsto. Foi realizado uma cesariana levando em consideração o risco que mãe e filhas poderiam passar devido ao estado em que chegaram na maternidade, “foi um parto complexo, de urgência. A gestante seguia da cidade de Piraí do Norte , no sul da Bahia para a capital, quando a bolsa estourou”, revelou. De acordo Jussara, a mãe já deveria está sendo acompanhada por um especialista desde o 7º mês, já que se era conhecido a gestação gemelar e siameses.

A médica informou ainda que por serem gêmeos e a gestação a termo há um grande risco, “as recém-nascidas estavam ligadas pelo abdômen e compartilha alguns órgãos como o fígado, uma bexiga e um órgão reprodutor e muito provável parte da bacia, ossos e pelve. Elas passam bem e respiram sem ajuda de aparelhos”, disse.  A mãe das meninas continua internada e de acordo a equipe médica, por ter tido um parto cesáreo de urgência, ela permanecerá internada na UTI da Instituição em observação, “ela perdeu muito sangue e por cuidados, muito mais que por necessidade, decidimos mantê-la em observação”, finalizou.

Conheça mais sobre gêmeos siameses:

Esses casos também chamados de gêmeos xifópagos ou gêmeos conjugados, onde os irmãos são unidos em alguma região do corpo. Existem diferentes junções onde cada uma possui suas próprias individualidades. Eles podem estar ligados pela cabeça, tronco ou ombros e outras partes do corpo, podendo inclusive compartilhar órgãos como o coração, pulmão, intestino e cérebro.

1. Como são formados os gêmeos siameses?

Os gêmeos siameses acontecem quando um óvulo é fecundado duas vezes, não se separando corretamente em dois. Depois da fecundação é esperado que o óvulo se separe em dois até um máximo de 12 dias. No entanto, devido a fatores genéticos, o processo de divisão celular fica comprometido, havendo divisão tardia. Quanto mais tarde acontecer a divisão, maior a chance dos gêmeos compartilhares órgãos e/ ou membros.

Em alguns casos, os gêmeos siameses podem ser detectados durante a gravidez, através da realização das ultrassonografias de rotina.

2. Que partes do corpo podem estar unidas?

Existem diferentes partes do corpo que podem ser partilhadas por gêmeos siameses, que dependem da região onde os gêmeos se encontram ligados, como:

Ombro;

Cabeça;

Cintura, quadril ou pélvis;

Peito ou barriga;

Costas ou base da espinha.

Além disso, existem muitos casos onde os irmão partilham um só tronco e um só conjunto de membros inferiores, existindo por isso uma partilha de órgãos entre si, como coração, cérebro, intestino e pulmão, dependendo de como os gêmeos estão ligados um ao outro.

3. É possível separar gêmeos siameses?

Através da realização de cirurgias é possível a separação dos gêmeos siameses, e a complexidade da cirurgia depende da extensão das regiões do corpo partilhadas. Veja como é feita a cirurgia para separar gêmeos siameses. Já foi possível a separação de gêmeos siameses unidos pela cabeça, pélvis, base da espinha, tórax, abdômen e bacia, porém estas são cirurgias que representam grandes riscos para os irmãos, especialmente se partilharem órgãos entre si. Se a cirurgia não for possível ou se os gêmeos optarem por permanecer unidos, eles podem viver unidos por muitos anos, tendo uma vida o mais normal quando possível.

4. Tem algum risco para um dos gêmeos?

Dependendo do órgão que é compartilhado, um dos gêmeos pode ser prejudicado em função da maior utilização do órgão pelo outro. Com o objetivo de evitar que um dos gêmeos sofra consequências, é recomendada a realização de cirurgia para separar os gêmeos. No entanto, esse é um procedimento delicado e cuja complexidade varia de acordo com o membro e o órgão compartilhado pelos bebês.

Reportagem: Voz da Bahia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui