‘Se não houver uma vacina até novembro, não temos elementos de segurança para manter carnaval’, diz ACM Neto

-
Foto: Reprodução/Redes sociais

O prefeito de Salvador, ACM Neto, disse que se não houver um plano de imunização coletiva contra a Covid-19, até o mês de novembro, o carnaval poderá ser adiado na capital baiana. As declarações foram dadas por ele durante entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira (13).

“Se não houver uma vacina ou se não houver uma clareza em relação à imunidade coletiva até o mês de novembro, então pode ser que a prefeitura não tenha elementos de segurança para manter o carnaval”, disse ACM Neto.

“Caso cheguemos ao mês de novembro sem segurança plena para realizar o carnaval em fevereiro, eu acredito que ninguém vai autorizar que a festa aconteça, eu não autorizaria”.

Para o prefeito, o carnaval só deverá acontecer se os governos conseguirem promover a festa estabelecendo a segurança da população. ACM Neto falou ainda sobre a possibilidade de adiamento dos festejos, em um novo calendário.

“Carnaval só deverá ocorrer se puder acontecer em ambiente de total e completa segurança. Repito que, caso cheguemos em novembro, sem uma definição de segurança coletiva com relação ao coronavírus, penso eu, que seria uma boa alternativa nós discutirmos o adiamento do carnaval para o final do mês de maio ou começo do mês de junho, sem que ele conflite com o calendário junino”.

“A gente sabe que os festejos juninos do nordeste são fortes e também não acho que seja justo planejar o carnaval de forma a prejudicar o São João, que já não aconteceu neste ano”.

O prefeito enfatizou que não defende o adiamento do carnaval, mas sim que a festa seja realizada com segurança à saúde das pessoas, para evitar ondas de contágio do coronavírus.

“Que fique claro, hora nenhuma eu disse que defendo o adiamento do carnaval, o que eu disse e repito é que não podemos realizar sem ter segurança pela saúde das pessoas. Não adianta alimentarmos especulação agora, porque essa decisão será tomada em novembro. Agora temos que ser objetivos: se não chegar um plano de imunização coletiva até lá, que é o mais provável que aconteça, não poderemos realizar carnaval. Quem sabe aconteça alguma coisa que surpreenda esse cenário? Vamos avaliar, com responsabilidade, já que o carnaval é um feriado importantíssimo para a Bahia, sobretudo do ponto de vista econômico”, argumentou.

“O ideal seria buscar o calendário em 2021, quem sabe até identificando feriados que possam ser utilizados, e aí a gente tem a condição de organizar um calendário para o carnaval, como eu disse, talvez no final de maio ou no início de junho”.

ACM Neto falou ainda sobre a possibilidade de dialogar com prefeitos de outras capitais, para que se estabeleça um calendário comum para a realização do carnaval.

“Eu vou defender que os prefeitos possam organizar um calendário comum. Procurarei o prefeito do Rio de Janeiro, de São Paulo e de outras cidades também, para ver se é possível a gente construir um agendamento do carnaval”, disse.

Questionado sobre o Festival Virada, evento promovido pela gestão ACM Neto para celebrar o ano novo, o prefeito enfatizou que também só haverá decisões de realização ou não no mês de novembro. Com relação ao Festival da Primavera, realizado sempre no mês de setembro, o prefeito disse que não deve ser feito, pois não é uma prioridade fazer festas em meio à pandemia. (G1/Ba)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui