Sobre a perda das vacinas no posto de saúde do Amparo, Uberdan questiona: “que autoridade tem o proprietário do imóvel locado para desligar o disjuntor?”

Vereador Uberdan Cardoso (PT) / Foto: Voz da Bahia

O vereador e professor de história em Santo Antônio de Jesus, Uberdan Cardoso (PT) esteve presente no programa Meio-Dia e Meia na Live do Voz da Bahia e conversou sobre diversos assuntos, entre eles: os protocolos do vereador Dr. Gilvandro Couto, popular Dr. Gil (PSDB) adotado pela Secretaria de Saúde do município e da .perda de vacinas no Posto de Saúde do bairro do Amparo.

SOBRE A CAMPANHA “MORTE ZERO SAJ“:

Diante do aumento dos números de óbitos por Covid-19 em Santo Antônio de Jesus, o vereador e médico Dr. Gilvandro Couto, popular Dr. Gil (PSDB) lançou a campanha Morte Zero SAJ onde prescreve medicamentos que, segundo ele, podem curar ou evitar o agravamento da doença (relembre aqui). O professor Uberdan revela que a ciência deve ser respeitada em primeiro lugar, “existe uma coisa chamada vida, existe uma coisa chamada ciência e a gente precisa respeitar. A Covid é uma doença nova no qual a ciência em pouco tempo conseguiu criar a vacina e essa mesma ciência diz que não existe um protocolo para você se prevenir em relação ao Covid, então, não existe medicação, não existe medicamento prévio para esta doença. Nós precisamos ouvir os especialistas, precisamos escutar as sociedades que representam essas pessoas, porque você pode ser um infectologista ou pneumologista que acredite no tratamento prévio, mas o que diz a sociedade em que você está inserido, ou seja, o que diz a Sociedade Brasileira de Infectologia? O que diz a Sociedade Brasileira de Pneumologia? O que eles tão dizendo? Se Ivermectina salva, por que Inglaterra iria investir tanto dinheiro com vacina? Porque Israel que todo mundo fala que é top de linha não usou Ivermectina? Muita gente pode até dizer que foi curado com Ivermectina, mas tem muita gente que foi curada usando a fitinha do Senhor do Bonfim, teve pessoas que foram curadas tomando água de coco ou teve pessoas que teve a doença, não sentiu e continuo tomando pinga. A ciência diz que de cada 100 pessoas que tiver Covid, em torno de 90% ou vai ser assintomático, ou vai ter sintomas leves, aí você procura um determinado médico, ele passa cloroquina ou hidroxicloroquina, Ivermectina,  Azitromicina, então quando você toma isso previamente, você está convencido nisso, você toma e aí como seus sintomas são leves do mesmo jeito, você não vai ter mais nada, vai ficar bom e vai dizer quem curou foi Ivermectina”, expressa.

POUCAS AÇÕES DA SECRETARIA DE SAÚDE DE SAJ:

Ainda falando da área de saúde, Uberdan denomina tímido os atos feitos para combater ao Covid-19 no município, “conversei com secretário de saúde Dr Leonel Cafezeiro e quando questionei das poucas ações, ele alegou que o Governo Federal não tinha mandado recurso, mas eu acho que eles ainda tinham um protocolo todo baseado no protocolo de maio de 2020 que incluiu algumas situações, como vacinação que não tinha no ano passado. A questão que acho é que existem algumas ações que podem ser combinadas entre as secretarias para você minimizar o efeito, sobre tudo a distribuição de máscaras de forma extensiva, equipes na rua orientando no comércio o distanciamento, então não depende apenas do recurso Federal, já que eles disseram que não estão mandando, exige também que eles tenham a capacidade de antever e isso é gestão”, confessou.

PERDAS DE VACINA DO POSTO DE SAÚDE DO AMPARO:

Aproveitando a ocasião, o vereador Uberdan Cardoso comentou o episódio da perda de vacinas no USF (Unidade de Saúde da Família) do bairro do Amparo. De acordo com a assessoria da gestão municipal, o fato foi ocorrido em 8 de fevereiro. Entre as doses retidas e sob suspeita de perda estão as de vacinas preventivas contra Febre Amarela, Varicela, Raiva, HPV e três de CoronaVac (saiba mais aqui). A gestão explicou ainda, que houve um desligamento de rede elétrica da USF pela proprietária do imóvel. O edil assevera que algumas respostas devem ser oferecidas pela secretaria de saúde do município diante do que foi apontado, Uberdan pergunta: “que autoridade tem o proprietário do imóvel locado para desligar o disjuntor? Quem paga a energia é o proprietário? O município não está pagando? É algo muito estranho e eu solicitei um ofício pedindo esclarecimentos. A sociedade exige que essa história seja explicada”, conclui.

Reportagem: Voz da Bahia