Eduardo Bolsonaro se aproxima da embaixada com nova proposta de PEC

0
83
-
© Ed Alves/CB/D.A Press Eduardo: o pai quer, e o Senado deve chancelar o nome do atual deputado para a chefia da missão diplomática nos EUA

O prognóstico otimista do governo na indicação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) como embaixador do Brasil nos Estados Unidos deve ser confirmado no Senado — responsável por endossar a decisão do Planalto. Com base em uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que esbarra neste tema, o Correio fez um levantamento que serve como termômetro para os votos sobre a indicação de Eduardo ao cargo no plenário da Casa. A expectativa é de que a votação ocorra entre segunda e terça-feira.

Para que o deputado se torne embaixador, ele precisa do apoio de 41 dos 81 senadores em exercício. A PEC n° 120/2019, que altera os artigos 37 e 87 da Constituição disciplinando o nepotismo na Administração Pública, tem a assinatura de 38. A peça está disponível no site do Senado.

Excluídos os apoiadores do projeto e um dissidente (que, primeiro, concordou com a PEC; depois, mudou de opinião), sobram 42 votos. O número é mais que o suficiente para que o filho 03 do presidente seja empurrado para o cargo de embaixador do Brasil em Washington, nos Estados Unidos, um dos mais cobiçados da carreira diplomática internacional.

A autorização para Eduardo assumir a embaixada não passa pela Câmara. Ainda assim, dois projetos que tramitam na Casa são recados diretos ao filho do presidente. De autoria do Cidadania, um Projeto de Lei e uma PEC pedem que pessoas alheias ao serviço exterior não possam ser indicadas como chefes de missão no exterior — ou seja, embaixadores. O texto é assinado por Marcelo Calero (RJ). Diplomata licenciado, declarou, em plenário que “a indicação de Eduardo é um desprestígio à carreira”.

Na última quinta-feira, o pedido de agréement — o sinal verde do país que receberá o novo embaixador — do Brasil foi acatado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Após reunião com o chanceler Ernesto Araújo, do Ministério das Relações Exteriores (MRE), Eduardo disse que o “sim” de Trump é “motivo de muito orgulho”.

A indicação de Eduardo causou polêmica até entre os eleitores de Bolsonaro. O presidente disse que, havendo a possibilidade de ajudar os filhos, não deixaria de fazê-lo — uma das tentativas para justificar a decisão de indicar o 03 para a embaixada americana.

Com Eduardo no posto, Jair Bolsonaro espera que o relacionamento entre o Brasil e os Estados Unidos seja tratado com “maior deferência”. Chegou-se a aventar a possibilidade que o filho mais novo de Trump, Eric Trump, viesse para o Brasil ocupar um cargo semelhante. A informação foi negada dias depois pelos representantes das Organizações Trump.

Na cerimônia de 200 dias de governo, Jair Bolsonaro defendeu o nome do filho para a embaixada afirmando que “o Eduardo e a família Trump têm ótimo relacionamento”. Presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, Eduardo demonstra interesse em assuntos de estado no exterior desde que o pai assumiu o Planalto, em janeiro. Contudo, uma das barreiras para que ele se tornasse embaixador era a idade. Eduardo completou 35 anos em 10 de julho e, na mesma semana, recebeu a chancela do pai para o cargo.

Desde abril, quando o chanceler Ernesto Araújo removeu o diplomata Sérgio Amaral do posto, Washington não tem embaixador formal que represente o Brasil. O diplomata Nestor Foster era considerado o favorito para substituí-lo até o presidente da República decidir indicar o próprio filho. O Correio antecipou que, internamente, Foster é tratado como “quem vai arregaçar as mangas” e comandar a embaixada seguindo o protocolo da carreira. Eduardo seria alçado à posição de “rosto”, “a face política” do cargo.

A partir de agora, Ernesto Araújo e a equipe técnica do Itamaraty devem formalizar, a qualquer momento, a mensagem que será encaminhada ao Senado pedindo o endosso da decisão. O texto precisa da assinatura do presidente. “Sim”, antecipou Jair Bolsonaro, após reunião sobre o tema. É a primeira vez que o filho de um presidente da República em exercício é indicado (pelo próprio pai) ao cargo de embaixador brasileiro. Sobre a indicação de Eduardo para a embaixada dos EUA, Onyx Lorenzoni afirmou que vai trabalhar para que o Brasil tenha o “melhor embaixador dos últimos anos”. “Estamos conversando com os senadores para construir esse entendimento, essa aliança”, pontuou.

(Correio Braziliense)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui