Líder neopentecostal acusado de abusar sexualmente de meninas tem julgamento agendado

Foto: Reprodução

Um advogado do gabinete do procurador-geral da Califórnia, que está processando o caso, espera que o julgamento possa durar cerca de cinco a sete semanas, relatou a imprensa local.

O advogado de Garcia, Alan Jackson, argumentou durante uma audiência na segunda-feira que “não estava preparado para anunciar que estava pronto para o julgamento” devido a problemas na fundamentação da defesa e pediu “um pouco mais de tempo”.

No entanto, o juiz do Tribunal Superior Ronald S. Coen fixou uma data para seu julgamento e ordenou que sua suposta cúmplice, Susana Medina Oaxaca, também comparecesse ao tribunal para julgamento.

O policial estadual e perito forense Steven Stover testemunhou em 2019 sobre um vídeo encontrado em um iPad apreendido de Garcia, que supostamente mostra o líder da igreja tendo um sexo a três com uma mulher e um rapaz menor de idade.

Stover também testemunhou que encontrou pornografia infantil em um iPhone retirado de Garcia. Um vídeo encontrado no telefone mostra mulheres “muito jovens” realizando atos sexuais, de acordo com informações do portal The Christian Post.

García se declarou inocente das acusações contra ele na época e pagou uma fiança de US$ 50 milhões, considerada a mais alta já imposta no condado de Los Angeles. Ele agora está sendo detido com uma fiança estipulada de US$ 90 milhões, embora alguns de seus seguidores tenham afirmado que ele é “100% inocente”.

Em um comunicado divulgado na página da igreja no Facebook, os líderes da megaigreja reiteraram a crença na inocência de García: “Para nossas irmãs e irmãos ao redor do mundo: nós os informamos sobre o resultado da audiência deste dia. Confiamos que a retidão prevalecerá, pois a verdade é esta: O apóstolo [sic] de Jesus Cristo Naason Joaquín García é inocente, sua integridade é conhecida por milhões de pessoas”.

Alondra Ocampo, que também está detido sem fiança, se confessou culpado de quatro acusações em 13 de outubro de 2020. Estas incluem três acusações de contato com um menor por crime sexual, envolvendo três mulheres não identificadas, e uma acusação de penetração sexual forçada, envolvendo um quarta mulher não identificada, disse o LA Times.

Oaxaca, que alegou ser inocente das acusações contra ela, foi libertada sob fiança.

Informações: Gospel Mais / Tiago Chagas